domingo, 25 de setembro de 2016

A minha 9ª (e mais rápida) Corrida do Tejo

A armada 4 ao Km presente: Vitor, Isa, Orlando, João, Conceição e Aurélio

36ª edição da festa de corrida que é a Corrida do Tejo. Sendo a prova mais emblemática do concelho onde resido, posso considerá-la a corrida de casa. 

Durante as minhas 8 primeiras épocas participei todos os anos. Nos últimos dois, devido a ter calhado no dia a seguir à Meia das Lampas, tive que prescindir, para este ano, e em boa hora, regressar.

É um facto que estas duas corridas na Estrada Marginal (Corrida do Tejo e Marginal à Noite), correm-me sempre de feição e este ano não foi excepção. A minha melhor marca nesta prova era de 52.15, hoje registei 51.56

Antes da partida, reforçados com o Carlos (não liguem à minha cara pois estava a tentar ver no ecran se estava tudo bem, com o sol a dificultar)

Senti-me bem no aquecimento e no primeiro quilómetro, então toca de dar às pernas. Fiz uma prova certa com a 2ª metade mais rápida (26.12 - 25.44), o que é sempre um óptimo indicador. Melhor ainda, o ter acabado bem, parecendo que não tinha feito um tempo destes.

Quase na meta (obrigado Armindo pela foto!)
E se cortei a meta feliz com a minha marca, mais feliz fiquei 15 segundos depois quando vi a Isa e Vítor chegarem, com a Isa a dizimar por quase 1 minuto o seu record de 10 km.
Um dia em cheio, como se pode constatar!

Há provas e provas e cada uma tem o seu cunho e a sua razão de ser. Esta Corrida do Tejo está desenhada para dar um enorme colorido a toda a Marginal que atravessa o concelho e para ser uma festa, objectivos que atinge em pleno. E é sempre um prazer estar presente!

Já com a medalha ao peito e ao lado da grande recordista
Próxima prova, domingo, 17ª Maratona de Portugal na Ponte Vasco da Gama





Com a sempre simpática equipa Run Lovers

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Só uma pequena nota :)

Só uma pequena nota para dar conta que o meu record de quilómetros efectuados num ano, 1.556,381 realizados no ano passado, foi batido hoje.

A parte mais curiosa é que foi batido quando ainda estamos a 3 meses e um terço do final do ano, o que prova o brutal aumento de quilometragem que passei a imprimir quase diariamente.

E o melhor é não ser apenas em quantidade mas qualidade, como comprovam as novas melhores marcas que alcancei nos últimos meses em distâncias tão dispares como 1 e 3 km por um lado e 15 e 30 por outro, tendo o de 10 km ficado à pele.

Este total actual (1.560,912) já poderia estar praticamente nos 1.700 caso não tivesse perdido cerca de 130 km pela lesão no gémeo direito em Fevereiro e que condicionou fortemente a Maratona de Barcelona.

Caso não seja visitado por essas indesejáveis inimigas do bem estar do corredor, ultrapassarei significativamente os 2 mil quilómetros neste ano de 2016, ano que está a ser até agora de ouro no que à corrida diz respeito.

E pronto, apenas quis comemorar este feito para mim histórico. Adaptando a célebre frase de Neil Armstrong quando se tornou o primeiro homem a pisar a lua, pode ser um pequeno passo para muitos mas é sem dúvida um passo de gigante para mim :)

Bom resto de semana para todos!

sábado, 17 de setembro de 2016

Um GIGANTE chamado Paulo e o meu 3º de 30 pró Porto

Pequena mas muito sentida homenagem ao meu amigo Paulo Reis pelo seu fantástico feito de ter concluído, à primeira tentativa, o Tor des Geants, na distância de 339 km e um desnível positivo de 30.908 metros!
Partiu domingo, chegou hoje durante a noite, terminando num brilhante 240º lugar entre 765 participantes, numa prova cuja taxa de desistências se situa agora nos 41,5%, faltando ainda umas horas para terminar.
Difícil encontrar palavras para enaltecer este feito do Paulo!!!

Quanto a mim, e como estava planeado, realizei hoje o 3º treino de 30 quilómetros tendo em vista a Maratona do Porto. E fiquei muito feliz pelas circunstâncias. Não somos uma máquina que se ligue o botão e fique a funcionar como queremos (e mesmo essas avariam algumas vezes) e há dias que não estamos no nosso melhor. Já ontem à noite não estava grande coisa e hoje quando o despertador tocou às 5.30 e levantei-me, vi de imediato que não estava nos meus dias e não iria dar para 30 nem perto, pensava. De tal maneira que, coisa rara em mim, cheguei a equacionar adiar o treino para amanhã. Inspirado pelo feito do Paulo, lá me decidi ir à mesma.

Conclusão, consegui os 30 e numa marca boa, apesar de sentir que não estava no meu melhor, o que me encheu de satisfação pois todo o treino que tenho feito permite ter reservas para os dias não.
E isso aumenta mais a confiança.

Para a semana não há longo, indo divertir-me na "corrida de casa", a Corrida do Tejo onde irei participar pela 9ª vez.

Um bom fim-de-semana a todos!

domingo, 11 de setembro de 2016

Na fantástica 40ª Meia das Lampas


Antes da prova, Vítor, Isa e eu com o grande "culpado" do sucesso desta Meia, Fernando Andrade que roubou uns segundos ao seu precioso tempo de organizador nos seus últimos preparativos para tirar uma foto connosco.

E no final com a grande Carla André, heroína do Badwater deste ano, uma campeã não só a correr mas também pela sua grande simpatia!

Carinhosamente apelidada por Meia das Rampas, a Meia-Maratona de S.João das Lampas alcançou ontem o belo número de 40 edições, na que é a 2ª mais antiga de Portugal, a seguir à "mãe" Nazaré. 

Esta Meia é especial, por tudo. Desde a maneira como é colocada em estrada, uma prova organizada por atletas que sabem o que os atletas gostam, à sua envolvência, suas gentes e, claro, o famoso percurso, o que a torna uma prova com fiéis clientes.

Aqui, pode ser consultada toda a sua história e classificações da totalidade das edições. E percorrer as suas classificações é também apercebermo-nos do salto tecnológico. A primeira escrita à mão, depois máquina de escrever, lista de computador mas ainda em versão mecanográfica, até às actuais e modernas classificações com elementos que o uso do chip proporciona.

Rumei pela 5ª vez às Lampas, na companhia da Mafalda, Isa e Vítor para mais um muito agradável final de tarde, revendo muitas caras conhecidas, nesta altura mais bronzeadas.

A correr a a sorrir. Há melhor?
A intenção desta prova foi a que transmiti a todos que me perguntaram o que ia fazer, respondendo que era para a realizar nas calmas. Tenho um plano muito bem definido, e com vários objectivos, e há que ser sensato com quando é para atacar ou para manter.

Cumpri por inteiro essa intenção, apesar de não parecer. É que o meu record pessoal aqui era de 2.13.12 e realizei quase 6 minutos menos (5.50 para ser exacto), 2.07.22, o que aqui é muito bom para mim.
Enquanto esse tempo tinha sido feito a atacar e "matei-me todo" para o conseguir, ontem fui sempre em ritmo muito certo e confortável, acabando bem e com menos 6 minutos. Explicações? Claro que se deve a todo o treino que tenho vindo a imprimir e aos muitos e muitos quilómetros a mais que tenho realizado e que dão estes frutos.


Meta!
Foi assim um muito satisfeito João que saiu das Lampas, onde tive o prazer de mais uma vez correr.

De parabéns estão todos os intervenientes que fazem desta prova um sucesso e muito especialmente o seu fundador e responsável desde sempre, Fernando Andrade a quem daqui envio um grande abraço.

Fernando Andrade em pleno trabalho, neste caso de locução



Com as medalhas, mais especiais por sempre uma edição marcante no seu número

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

O meu mês mais "quilometrado" de sempre

Esta minha 11ª época de Atletismo está a ser marcada por um significativo aumento de quilometragem.
Até final de 2015, o mês com maior número de quilómetros era de 181 km. Ora este ano, dos 8 meses que já se cumpriram, em metade ultrapassei os 200 quilómetros. Em Janeiro com 221, que passou a constituir novo máximo até agora, e estes últimos 3 meses (Junho, Julho e Agosto), sempre acima da tal barreira das duas centenas.

Estavam planeados neste mês de Agosto, como alavanca de força para a Maratona do Porto, 240 km. Felizmente que o mês passou-se bem, o que significa sem qualquer lesão, e o que me permitiu ir um pouco mais além do plano e terminar o mês com 252,244 quilómetros, sempre com a preocupação de aliar quantidade e qualidade.

Em termos de calendário para a Maratona este foi o mês ideal para tal, mas não o ideal em termos de temperaturas, que estiveram altas, obrigando a que muitos treinos começassem por volta das 6 da manhã. Reconheço que alturas houve onde não foi fácil mas quanto mais duro se treina...

Claro que tudo é relativo e se fico muito orgulhoso destes meus números, vejo o que alguns fazem e sinto-me pequenino. E pequenino, apesar do meu metro e oitenta, é o que sou neste maravilhoso mundo das corridas, mas, e colocando a modéstia de parte, reconheço que grande na vontade para dar tudo o que tenho e mais além, atendendo a todos os meus factores e limitações naturais.

Apenas duas curiosidades mais: Em relação ao ano anterior, que foi aquele que mais km fiz até ao momento, levo já cerca de 450 km mais comparando os 8 primeiros meses. E em relação a calorias, este mês gastei em corrida cerca de 22.600.

sábado, 27 de agosto de 2016

Mais 30 para terminar este 1º ciclo

Hoje foi dia de novo longo, 30 quilómetros, com que terminei este primeiro ciclo de 4 semanas a dar-lhe no duro.

Agora, segue-se uma semana calma, treinos com máximo de uma hora e sem longo no próximo fim-de-semana, para absorver e consolidar todo este trabalho.

No fim-de-semana seguinte, o longo é em forma de Meia-Maratona, a atractiva e selectiva S.João das Lampas na edição número 40, sendo a segunda mais antiga de Portugal, logo a seguir à "mãe" Nazaré.

Uma boa semana a todos e no dia 31 publicarei aqui os dados deste mês, aquele com mais quilometragem das minhas onze épocas de Atletismo.  
  

domingo, 21 de agosto de 2016

Mais um longo (26) pró Porto

Após os 30 km em tempo record de passado domingo, o longo desta semana tinha que ser, e foi, a ritmo calmo. No plano eram 25 mas acabei por realizar 26. Correu sempre bem, o único problema é que de manhã deu-me a preguiça e em vez de começar às 6, iniciei-o às 7 e assim apanhei já muito calor na última hora.
Arranquei do Inatel de Oeiras, indo pelo Passeio Marítimo de Oeiras e Carcavelos, saí e fui até ao Bairro do Junqueiro, daí até à estação de Carcavelos, passando para o outro lado, direcção Parede com passagem pelo Bairro da Escola Técnica, Bairro Azul, centro da Parede, S.Pedro e S.João do Estoril, com regresso pela Marginal até ao ponto de partida, indo primeiro à praia de Oeiras e regressando para marcar os 26.

A juntar a este treino, os realizados durante a semana, variados e que cumpriram a sua função, desde recuperação a alguns com ritmos mais elevados. Destaque para o de sexta, com 12 km, que fiz no Guincho e onde durante 8 km tive a companhia dum francês que está cá a passar férias e juntou-se-me, proporcionando boa companhia que assim o tempo passa sempre mais rápido. 
Já fez por 3 vezes a Maratona "dans la plus belle ville du monde", Paris, e serviu para desenferrujar o francês pois fomos sempre "a bavarder".

Não quero terminar sem manifestar o meu orgulho por TODOS os atletas que representaram Portugal nos Jogos Olímpicos (e ainda faltam dois daqui a pouco na Maratona masculina), alcançando lugares de muito relevo. Aliás, na classificação por pontos (dada aos 8 chamados lugares de finalista, 8 pontos para o 1º, 7 para o 2º até a 1 ponto para o 8º), somadas todas as modalidades, estes foram os nossos melhores Jogos de sempre, pois foi onde alcançámos a pontuação mais alta. Infelizmente, a maioria das pessoas apenas vê o medalheiro e esquece-se que estão em compita os melhores dos melhores dos cerca de 200 países. Daí o lamentável de muitas notícias e comentários, em especial quando se esquece de repente tudo o que alguns já fizeram, até num passado muito recente. Mas o português prefere a crítica fácil que até potencia o seu lado de comiseração herdeira duma mente cinzenta por décadas de tacanhez.
Para quem sabe admirar o que o esforço e dedicação exigem, a nossa vénia a TODOS sem excepção.